FUNFFEC: UMA INSTITUIÇÃO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL

A Fundação Francisca Fernandes Claudino (FUNFFEC) tem construído uma história de sucesso no cenário educacional e cultural luisgomense, por meio de muito trabalho, profissionalismo e paixão pelo que faz. Ao longo de décadas, apresenta-nos provas cabais de que é uma organização com visão estratégica de responsabilidade social. Transpirar, sonhar, acreditar, valorizar, transpor, tem sido sua rotina. Seu incansável trabalho tem transformado a vida de inúmeras crianças, jovens e adultos, com as potencialidades da arte, da cultura regional, dos valores éticos e cidadãos, construtivos e solidificadores de uma sociedade mais justa.
Em termos dimensionais, atrevo-me a dizer que, temos mais que uma organização profissionalizante, temos um espaço de libertação pelo saber, de integração e organização comunitária, um universo de proteção social e de solidariedade.
Concomitantemente, a conexão dessa força com o desprendendimento dos exageros da hierarquização, da burocracia exagerada e da centralização, tem conseguido ser, dessa maneira, mais ágil e preparada para atuar numa sociedade dinâmica e diversificada. 
A convicção desse propósito vem de encontro ao que o Instituto Ethos, uma das principais organizações responsáveis pela mobilização e difusão dos preceitos de responsabilidade social na sociedade brasileira, tem orientado às instituições:



Responsabilidade social empresarial é a forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona. Também se caracteriza por estabelecer metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais” (INSTITUTO ETHOS, 2013).



A FUNFFEC atua voltada aos interesses dos stakeholders (partes interessadas ligadas à organização). Por isso, empregados, clientes fornecedores, comunidade, concorrentes, governo e sociedade são elementos que, ao mesmo tempo, são impactados e influenciam, por meio de feedbacks diferentes, a gestão administrativa a se reinventar, a melhorar constantemente.
Desse modo, a FUNFFFEC tem ampliado suas atividades para atender, de forma gratuita e qualitativamente, a uma demanda cada vez maior. Só no segundo semestre letivo de 2012 foram atendidos mais de 220 alunos, de forma direta. Informática, Línguas Estrangeiras, Música, Dança, Arte, Gestão de Pessoas, Redação, Temas Transversais, Ginástica, Karatê, são algumas das áreas e ações desenvolvidas pela Instituição. Notadamente, existe um investimento e uma dedicação à capacitação e promoção dos discentes e da população com vistas ao mercado de trabalho e a valorização dos preceitos diplomáticos, do comportamento positivo, do marketing pessoal e do desempenho crítico humanizante.
Efetivamente, a FUNFFEC é uma marca identitária e histórica da terra de ‘Senhora Santana’. Condição sine qua non, uma vez que tem profundas raízes entrelaçadas com a narrativa do município. Inclusive a família de Joca Claudino e ‘Francisquinha’ (matriarca, assim carinhosamente chamada), residiram por alguns anos, onde hoje é a sede do órgão.
Com uma visão estratégica, a FUNFFEC tem sido capaz de antever dificuldades e oportunidades, que fortalece e condiciona uma administração de iniciativas, de decisões, de um olhar apontado para o futuro. Em outras palavras, o olhar estratégico pode ser entendido como instrumento que define, direciona, coordena e ordena a vida de uma organização (MINTZBERG et al., 2010). Essa estrutura horizontalizada direciona para resultados mais satisfatórios, já que cada colaborador precisa exercer liderança, comprometimento e contínuo processo de aperfeiçoamento.
Além disso, a equipe desenvolve ações que vão além da aprendizagem em si, estimula a revelação de talentos artísticos, valoriza os costumes e raízes nordestinas, incentiva a prática antissedentária, incentiva as práticas voluntárias junto à comunidade, a promoção de alunos que se destacam ao status de monitores, entre outros. Exemplos não faltam: o Festival Cultural “Artes de Julho”, que promove a identidade sertaneja e os artistas da região por meio de apresentações de Caboclos, Bumba meu boi, Xaxado, Forró de raiz, Carimbó, que são bens imateriais do nosso país; o projeto Natal da Felicidade, que arrecadou e doou presentes e cestas básicas às famílias carentes; o projeto Bela Infância e Cidadão Digital, que propiciam a integração do saber e princípios de cidadania às crianças pobres.
Dentro desse panorama, a FUNFFEC apresenta uma gestão em que o critério mais importante é a qualidade, é o ser humano. Com personalidade comprometida com a geração de valores legais, ambientais e socioculturais, tem aceitado isso como uma marca sua, imanente. Deveras, as suas atitudes são, conscientemente, compreendidas como uma referência, uma coordenada de conduta para o ambiente externo, isto é, para os demais entes da municipalidade.
De fato, como se vê, a entidade tem construído um perfil de valorização de sua imagem, através de ações transparentes, do compromisso público e promoção da diversidade, do diálogo e envolvimento com parceiros coadjutores, da atração e manutenção de capital humano qualificado, da busca pela motivação e inserção de desafios, da disposição para enfrentar conflitos, do estabelecimento de metas, a curto e longo prazo, da busca ininterrupta, pela excelência sociocorporativa (SANTA CRUZ, 2006).
Com isso, a organização dissemina e fortalece valores éticos para o respeito às diferenças sociais, a consciência da ação para o bem da coletividade e, sobretudo, a beleza do amor e da paz no seio social. Por isso, que a entidade além de acolher e educar, tem embutido, no seu instinto cognitivo e nos seus métodos, o objetivo de provocar a satisfação, o encantamento, a felicidade. O sorriso, o brilho no olhar, seja de funcionários, alunos ou visitantes tem um valor inestimável.
Portanto, a FUNFFEC tem erguido, com vigor, a bandeira da responsabilidade social, seja na modelagem de cidadãos profissionais, no desenvolvimento dos bens e atores da arte e da cultura que, por conseguinte, ampliam os horizontes das pessoas, ou na tentativa de erradicar práticas danosas à comunidade e buscar a prevalência da igualdade, da fraternidade para uma sociedade mais equilibrada. Ela cumpre com seu papel social, partindo da filosofia educacional como forma de construir indivíduos preparados, autônomos e preocupados com o bem estar social.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL. O que é RSE. Disponível em: <http://www1.ethos.org.br/EthosWeb/pt/29/o_que_e_rse/o_que_e_rse.aspx>. Acesso em: 10 de abr. 2013.
MINTZBERG, Henry, AHLSTRAND, Bruce e LAMPEL, Joseph. Safári de Estratégia. 2º edição. Porto Alegre: Bookman, 2010.
SANTA CRUZ, L. M. M. de. Responsabilidade social: Visão e intermediação da mídia na redefinição do público e do privado. Rio de Janeiro, 2006.

Artigo que compõe a Revista FUNFFEC, Ano I, nº 1, Luís Gomes/RN, Julho 2013.